Comentários de Abertura do Congresso Mundial da UNIAPAC

28/10/2015

Leia abaixo os comentários de José Maria Simone, presidente da UNIAPAC, na abertura realizada no Congresso Mundial UNIAPAC, que ocorreu nos início de outubro. 

 

________________________

 

A economia do século passado, com base em uma sofisticada divisão de trabalho, precisava das empresas, empresários e homens de negócios, com capacidade para organizar, coordenar, inovar e correr riscos. Este modelo econômico deu origem a um enorme aumento da produtividade e progresso em termos de civilização. Nos últimos 200 anos, trouxe um crescimento econômico sem precedentes e, com ele, inúmeros desafios para a nossa sociedade.

 

O fenômeno da globalização e do progresso tecnológico resultou em desequilíbrios no mundo. A pobreza e a desigualdade, a transformação do mercado de trabalho e do emprego, a falta de instituições eficazes, e a questão da ecologia são problemas graves que a humanidade tem de enfrentar hoje. As nossas sociedades têm de gerir riscos e as rápidas e instantâneas mudanças a fim de promover a sustentabilidade social e ambiental e o desenvolvimento humano integral. Neste contexto, UNIAPAC, inspirada pelo ensinamento social da Igreja, gostaria de contribuir para a reflexão em que nos esforçamos para uma economia inclusiva fundada em responsabilidade, cooperação, fraternidade e esforço conjunto para trazer prosperidade para todos.

 

Desde o início da UNIAPAC, temos tentado influenciar e incentivar os empresários a mudar suas atitudes e estilos de gestão nas regiões onde operamos. Nossas crenças, valores, princípios e convicções no que respeita à forma como os negócios devem ser conduzidos em forma morais e éticos têm sido nossas diretrizes. Temos sido capazes de estabelecer uma forte influência de negócios em certas áreas da comunidade empresarial e ter ido também tão longe como influenciar políticas governamentais em muitas regiões. No entanto, ainda temos de continuar a atingir o maior número de homens de negócios possíveis para garantir um estilo de negócio sustentável.

 

Reconhecemos os chamados profundos do Papa Francisco na exortação apostólica “Evangelii Gaudium” e a encíclica “Laudato Si” no que diz respeito à sustentabilidade, chamando os líderes empresariais cristãos à ação. Estes documentos constituem uma mensagem muito forte convidando-nos a continuar nossos esforços com maior força e convicção, mais agora do que nunca. Como líderes empresariais cristãos, nós abraçamos o apelo do Papa para continuar a preção em cada abordagem ecológica, uma perspectiva social que leve em conta os direitos fundamentais dos pobres e os não privilegiados. Uma forma de responsabilidade social da empresas centrada na pessoa é uma maneira muito eficaz de resolver este desafio dentro de uma economia de mercado livre e verdadeiramente competitivo.

 

As empresas produzem muitas das condições importantes que contribuem para o bem comum da sociedade em geral. Seus produtos e serviços, os postos de trabalho que prestam, e do excedente econômico e social que disponibilizam para a sociedade, são fundamentais para a boa vida de uma nação e da humanidade como um todo. Organizações produtivas, bem como produtos e serviços que produzem, também têm um efeito profundo sobre o caráter de todos aqueles que têm relações com eles: investidores, empregados, fornecedores, comunidades locais, consumidores e instituições.

 

O papel dos empresários já evoluiu. A fim de fazer uma economia inclusiva sustentável, onde a prosperidade geral da sociedade é baseada no desenvolvimento da dignidade humana, os esforços dos homens de negócios devem ser unidos com aqueles feitos por outros setores da sociedade. A fim de ser capaz de viver de acordo com os novos desafios, os empresários devem estar preparados. Os empresários devem trabalhar em conjunto com os governos ea sociedade civil.

 

Gestão, virtudes e valores  fatores chaves que levam ao bem comum

 

A liderança tem que ser efetuada de forma diferente do que antes. Liderança tem que promover o desenvolvimento integral da pessoa humana, bem como o papel de líderes de negócios deve incluir aspectos económicos e contribuir para o desenvolvimento social, através do qual a dignidade humana pode ser melhorada. O componentes da liderança material, humana e social deve ser desenvolvido de uma forma coerente e sustentável entre os representantes das esferas política, organizações sociales e de negócios, trabalhando juntos para o bem comum.

 

Como líderes de negócios, devemos continuar os nossos esforços para garantir que os valores que nos unem: a justiça, a solidariedade, o respeito pela dignidade humana e do bem comum, são reafirmados e incorporados às práticas cotidianas das empresas. Temos de trabalhar para garantir que as condições de trabalho dignas e proteção jurídica e social pode ser apreciado pelo maior número de trabalhadores em todo o mundo possível.

 

Liderança é a arte de orientar a ação humana; é motivação, comunicação, participação e capacidade de convencer as pessoas dos valores que estão a ser postas em prática.

 

Solidariedade e justiça são princípios básicos para orientar as ações de líderes empresariais que procuram gerir as empresas socialmente responsáveis. Podemos entender Solidariedade como a associação de duas vias e interdependência de pessoas que trabalham juntos para o bem comum. Quando solidariedade é incorporada empresas, isso transcende às relações dentro da comunidade e é visto nos esforços para melhorar o ambiente de nossos companheiros seres humanos. Justiça, a vontade constante e inabalável para dar a cada pessoa o que é devido a eles, e para abrir uma porta à Solidariedade. Justiça é particularmente importante no contexto atual, onde o valor individual da pessoa, a sua dignidade e os seus direitos são ameaçados pela tendência a fazer uso exclusivo de critérios sobre a propriedade. Solidariedade e Justiça orientam a construção de uma sociedade digna do homem, são inerentes à dignidade da pessoa humana e promovem o seu desenvolvimento genuíno.

 

Trabalho representa uma dimensão fundamental da existência humana; trabalho é um direito e um dever de qualquer ser humano. Em um nível individual, o trabalho constitui uma fonte de dignidade, permitindo que as pessoas tenham recursos materiais que necessitam para desfrutar de uma existência digna. "O trabalho humano é uma chave, provavelmente a chave essencial, de toda a questão social, se nós tentar ver essa pergunta realmente do ponto de vista do bem do homem" (Papa João Paulo II, Laborem exercem, Libraria Editrice Vaticana, 1981)

Acreditamos que o caminho mais eficaz para sair da pobreza é a promoção do trabalho decente, incentivando o empreendedorismo e a inovação

 

Devemos ver a complexidade e os desafios de nossa época não como ameaças, mas como oportunidades. Negócio pode atender às necessidades sociais, bem como criar riqueza e reduzir a pobreza. Há evidências de diferentes países que mostram que o empreendedorismo social, inovação social, o investimento impacto social, e o investimento ético são novas formas de criar ambientes que permitem que os seres humanos prosperarem, para desenvolver o seu próprio potencial através da criatividade, trabalho duro e gestão e contribuir para sócio inclusão-económico. As novas gerações estão desempenhando um papel significativo nesses processos de inovação, e eles têm uma enorme responsabilidade em termos de sustentabilidade.

 

Nós promovemos entre os líderes empresariais a visão e implementação de uma economia do serviço as pessoas e do bem comum de toda a humanidade. UNIAPAC tem uma responsabilidade formidável para abrir as ideias da comunidade empresarial para o fato de que muito poderia ser mudado na economia. Ele tem uma vocação, não só para ajudar os indivíduos no mundo dos negócios para corrigir seus comportamentos, mas como um agente de mudança em nossas sociedades.

 

No livro The Profit of Values publicados em 2008, UNIAPAC conceituou um modelo de Responsabilidade Social Corporativa que incide sobre o florescimento da pessoa humana. Com base nos valores, este modelo invoca verdadeiras mudanças nas atitudes empresariais e tem um tremendo potencial para trazer progresso económico, social e humano mais responsável e sustentável.

 

"O Protocolo de RSE: Um guia completo de gestão empresarial" é uma ferramenta de sucesso que serve para apoiar a implementação dos conceitos de modelo de RSE da UNIAPAC a nível internacional. Como uma continuação de nossos esforços para promover objetivo ea visão da UNIAPAC e para apoiar outros líderes empresariais comprometidos com objetivos semelhantes, UNIAPAC em colaboração com o John Ryan Institute, da Universidade de Saint Thomas publicou o livro RESPEITO EM AÇÃO - A SUBSIDIARIEDADE APLICADA NOS NEGÓCIOS.

 

O princípio da subsidiariedade é um princípio normativo das associações sociais. O princípio da subsidiariedade, um elemento-chave da Doutrina Social da Igreja: A sociedade de ordem superior não deve interferir na vida interna de uma sociedade de ordem inferior, privando-a das suas funções, mas deve apoiá-lo em caso de necessidade e ajuda a coordenar a sua atividade com as atividades do resto da sociedade, sempre com o objetivo de promover o bem comum. (Centesimus Annus, §48).

 

Acreditamos que a erradicação da pobreza é uma responsabilidade dos governos, empregadores e organizações de trabalhadores, o setor privado ea sociedade civil, e exige compromissos concertados de todos eles; compromissos que são fundamentadas na dignidade humana, direitos e responsabilidades humanas e solidariedade. No mundo de hoje, as sociedades estão fazendo perguntas justificáveis ​​sobre a função social que as empresas desempenham nas economias desenvolvidas e em desenvolvimento para promover oportunidades de subsistência sustentável, e para construir a paz.

 

Há algumas décadas, a sociedade tem tido uma transformação contínua a nível mundial e da nação caracterizada pelo fenômeno da globalização, os países emergentes, a reconfiguração do poder dos estados nacionais, instituições internacionais e corporações. Uma nova ordem internacional é necessária face a estas mudanças, com base em uma abordagem multi-dimensional através da construção de governança global com regras comuns, uma comunidade política internacional vigorosa e novos mecanismos de responsabilidade condizente com o cenário global. A cooperação ea confiança é essencial neste processo, as empresas devem trabalhar em conjunto com governos ea sociedade civil na construção de um quadro institucional económico, social e ambiental para o Bem Comum.

 

É a tarefa de geração de hoje de reconhecer e compreender as novas dinâmicas do mundo com vista a alcançar um bem comum universal. Cada um é responsável no processo para a construção de novas instituições voltadas para o bem comum da humanidade.

Os líderes de negócios e suas organizações têm um papel crucial a desempenhar na definição das estruturas do bem comum, disponibilizando os seus conhecimentos do mundo financeiro e econômico, em conjunto com os decisores políticos e da sociedade civil, incluindo a Igreja. Organizações da sociedade civil têm uma função crítica nas nossas sociedades, desempenhando um papel de defesa-vis-à-vis o governo e monitoramento das atividades do setor privado e das instituições internacionais. Ressaltamos a importância do papel dos governos na criação de um ambiente favorável para o desenvolvimento empresarial sustentável através de um quadro legislativo e político apropriado, instituições fortalecidas e um sistema de governança em que as empresas podem operar a cumprir seu papel como criadores de riqueza e de emprego produtivo com uma visão sustentável e de longo prazo.

Please reload

Posts Recentes

Please reload

CONFIRA NOSSA AGENDA!

ADCE-SP - Associação de Dirigentes Cristãos de Empresa de São Paulo

Venha nos visitar

 

Rua Santanésia, 528 - 1/ss

05580-050 - Butantã

São Paulo-SP

  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle

Entre em contato com a gente

 

Tel.: (11) 3726-8292 / 3726-8299  

                (11)96383-8292

 adcesp@adcesp.org.br

 

 

Site desenvolvido por LIF @2016